Loja Café- Cervejaria em Faro -Freguesia de Sé e São Pedro Faro, Faro (Sé e São Pedro)

  • Loja
  • 2
  • 79 m2
Referência: TC1812
Venda 89.000 €
Classe Energética

Descrição

Café- Cervejaria em Faro -Freguesia de Sé e São Pedro

Elegante Café-Cervejaria , incluindo todo o recheio, excelente oportunidade de investimento, com retorno rápido e garantido, com uma ótima localização no centro da Cidade de Faro.

A loja situa-se numa zona habitacional, já com clientes fidelizados, a um minuto do grande centro da cidade de Faro, tendo como vizinho do Estádio São Luís, e com estacionamento perto.

A loja possui uma decoração moderna, é composta por duas casas de banho, um feminino e o outro masculino. A loja ainda possui, um grande espaço para depósito, reservado para pequenos concertos, além de diversos equipamentos, mesas, cadeiras e ar condicionado.

Loja vendida com todo recheio!

Não perca mais tempo, esta é a oportunidade que aguardava de iniciar seu negócio, com um café completo, somente entrar e trabalhar!


Resumo da Histórica cidade de Faro

As origens da cidade de Faro remontam ao século VIII a.C., período da colonização fenícia do Mediterrâneo Ocidental, durante o qual integrou um amplo sistema comercial, baseado na troca e comércio de produtos agrícolas, peixe e minérios. Com efeito, aos fenícios se ficou a dever o topónimo Ossónoba, que derivou da expressão “Osson ébá”, cujo significado era “armazém no sapal”.


Entre os séculos III a.C e IV d.C., Ossónoba integrou a província romana da Lusitânia, assumindo grande importância ao nível regional, comprovada por escavações arqueológicas realizadas ao longo do século XX no largo da Sé, que revelaram os vestígios do forum e do templum romano (a cerca de três metros do nível atual) e permitiram concluir que a cidade chegou inclusive a cunhar moeda.


A prosperidade de Ossónoba residia em boa parte na produção de garum, uma pasta de peixe muito apreciada na época, que os produtores locais exportavam para diversas cidades do Império romano. A importância das atividades marítimas na “Faro romana” encontra-se perfeitamente testemunhada no bonito mosaico do deus Oceano, que se encontra em exposição no Museu Municipal de Faro.

Com a desagregação do Império Romano no século V, Ossónoba integrou o Reino Visigótico da Península Ibérica. Totalmente cristianizada, a cidade passou a designar-se Santa Maria de Ossónoba, mantendo uma posição proeminente no contexto regional, uma vez que foi sede de Bispado.

Em 713, a cidade foi ocupada pelos mouros. No entanto, nos 2 séculos seguintes uma importante comunidade cristã (moçárabes) viveu aqui sob domínio Árabe. No século IX, passou a designar-se Santa Maria Ibn Harun, assim chamada em honra do fundador da Dinastia dos Banu Harun, Emires da Taifa de Santa Maria do al-Gharb.


Em 1249 as tropas do Rei D. Afonso III tomaram a cidade aos mouros, mas grande parte da comunidade muçulmana continuou a viver em Faro, pois recebeu carta de foral do rei D. Afonso III em 1269, garantindo liberdade de culto e o direito de conservar propriedade, mediante o pagamento de um imposto especial. Neste período, convivem em Faro as três grandes religiões do Livro: cristão, hebreus e muçulmanos, e a cidade passa a designar-se Santa Maria de Faaron, topónimo que até ao séc. XVIII irá evoluindo para Farom, Farão e Faro.

A política expansionista da Dinastia de Avis, e a sua aposta nos Descobrimentos Marítimos, transformou o Algarve numa região estratégica e abriu um período de prosperidade para Faro, graças ao um porto seguro que permitia o comércio do sal e de produtos agrícolas, em particular os frutos secos que abasteciam as caravelas portuguesas. Para o desenvolvimento da cidade contribuiu bastante a comunidade judaica, largamente constituída por comerciantes e artesãos, entre os quais se encontrava o tipógrafo Samuel Gacon que, em 1487, imprimiu o Pentateuco, o mais antigo livro impresso em Portugal.

Em 1499, o Rei D. Manuel I patrocinou o desenvolvimento e a expansão urbana da cidade, com a criação de uma Alfândega, um Açougue (mercado de carne), e um Hospital no exterior da Vila-A-Dentro. Em 1540, o Rei D. João III elevou Faro a cidade e, em 1577, esta tornou-se sede do bispado do Algarve (substituindo Silves), assim ganhando definitivamente o estatuto de capital da região.



Em 1596, em plena União Ibérica, os corsários ingleses do Conde de Essex atacaram e pilharam a cidade, causando grande destruição. Para além de incendiarem a maioria das igrejas, pilharam também as casas nobres e o Paço Episcopal, de onde roubaram uma valiosa biblioteca, atualmente depositada na Biblioteca Bobleiana da Universidade de Oxford.

O Grande Terramoto de 1755 abalou fortemente a região algarvia. Em Faro, onde terão morrido mais de duas centenas de pessoas, a maioria dos edifícios sofreu danos consideráveis. O declínio da cidade seria revertido graças ao bispo D. Francisco Gomes do Avelar (1789-1816), responsável por um importante programa de renovação urbanística e artística, onde se incluíram obras como o Arco da Vila (Monumento Nacional), o Hospital da Misericórdia e o Seminário Episcopal.

O século XIX foi um período de relativa prosperidade e desenvolvimento em Faro. Em 1805 abriu a primeira “Pharmácia” da cidade e em 1845 o benemérito, Dr. Lázaro Doglioni, inaugura o teatro Lethes, a mais bela sala de espetáculos do Algarve. No último quartel do século, implementou-se uma rede de esgotos e água canalizada e em 1889, foi inaugurada a Estação Ferroviária da capital algarvia. Em outubro de 1897 a Família Real deslocou-se ao Algarve, tendo ficado instalada no Palácio Episcopal de Faro. Nesta ocasião, o Rei D. Carlos e a Rainha D. Amélia visitaram o Museu Lapidar Infante D. Henrique, o Museu Marítimo e o Hospital da Santa Casa da Misericórdia.


Faro continuou a desenvolver-se durante o século XX. Em 1911 foi instalado o primeiro sistema de iluminação elétrica da cidade e, em 1926, abriu a delegação regional do Banco de Portugal. Em 1930 foi inaugurado o Café Aliança, um espaço onde, durante vários anos os grandes produtores e industriais algarvios estabeleceram o valor económico de produtos como a cortiça, a amêndoa, a alfarroba e o figo. Este café emblemático, um dos mais antigos do país, foi também o palco de inúmeras tertúlias, tendo recebido grandes vultos da cultura regional, nacional e mesmo internacional, como Amália Rodrigues, José Afonso e Simone Beauvoir.

A inauguração do Aeroporto Internacional em 1965, abriu uma nova era na economia da região, e o 25 de Abril de 1974, veio reforçar a capitalidade de Faro, que beneficiou enormemente com a Fundação da Universidade do Algarve, em 1979, e a construção do Hospital Distrital, instituições que muito têm contribuído para o desenvolvimento desta cidade milenar, onde se fez, e se continuará a fazer história.
Fonte: www.uf-faro.pt

Características

  • Referência: TC1812
  • Estado: Usado
  • Preço: 89.000 €
  • Área útil: 79 m2
  • Ano de construção: 1988
  • Certificado energético: C

Divisões

Arrumos
7m2
 
Geral
 
Nº de divisões: 1, Nº de escritórios, Show-room, Ventilação forçada, Central telefónica, Calhas técnicas, Arrumos, Monta Cargas, Fixo, Acesso a TIRs, Balneários, Refeitório, Balança, Furo/Poço, Electricidade trifásica, Reservatório de gás, Reservatório de agua, Gabinete médico, Localização: edifício industrial, Localização: isolado, Localização: parque industrial, Localização: prédio de habitação, Ocupada, Piso técnico, Sala de reuniões, Montra grande, Montra média, Montra pequena, Nº de montras: 1
Quarto de banho  
Próprio, Comum
Luz natural  
1, 0,75, 0,5, < 50%
Ar Condicionado  
Pré-instalado, Completo, Central, Splits
Fuga de Fumos  
Chaminé de alvenaria, Chaminé mecânica, Esgotos
Garagem  
Individual, Lugar
Cais de Carga  
Hidráulico
Segurança
 
Extintores, Sistema de desenfumagem, Bocas de incêndio, Sist. de detecção de incêndio, Sprinklers, Segurança activa, Sistema CCTV, Portaria, Cofre, Detetor de gás, Vigilância 24h, Empresa de segurança
Alarme  
Pré-Instalado, Completo
Zona
Acessos  
Aeroporto, Auto-Estrada, Comboio, Metro, Transportes Púb., Porto de Mar, Porto de Rio, Bons
Centralidade  
Centro da Cidade, Periferia Cidade, Distante Cidade, Rural
Proximidade  
Escolas, Jardins Infância, Hospital, Clínica, Polícia, Bombeiros, Bancos, Serviços Públicos, Farmácia, Praias, Ginásio, Centros Comerciais, Supermercado, Padaria, Jardins

Contacto

Flavi PenafortFaro, Faro

  • TuaCasa Portugal
  • AMI: 11063
  • [email protected]
  • 8005-423, 8005-423 FARO
  • 966 351 874 / 289 843 439

Imóveis similares